Lambchop, o mais belo cartão-postal de Nashville dos últimos anos

lambchop2

O Lambchop, uma das bandas mais legais surgida nas últimas décadas, vem de Nashville, meca da country music mundial. Seus integrantes – que variam entre doze e dezessete (!) músicos – formam o mais belo cartão-postal de lá.
Bebendo na fonte do que há de melhor no funk, country e soul refinado, estes caras fazem um som brilhante, delicado (de um lirismo de arrepiar).
A começar pelo canto do band leader Kurt Wagner – uma espécie de gênio esquecido da história. Esta verdadeira orquestra foi formada nos anos noventa, e foi exatamente no começo da década seguinte que eles lançaram o elogiadíssimo Nixon.
Segundo a crítica mundial, o Lambchop é o principal divulgador do alt-country – uma espécie de country alternativo.
Wagner não suporta este termo: “Uma bobagem”, disse uma vez numa entrevista.
Estou ouvindo Nixon pela segunda vez agora. Pô, que disco lindo. Comprei o meu na época em que trabalhava na São Rock Discos. Foi no natal de 2003 (ano em que o nosso brother Jan Balanco foi nosso colaborador).
Ouvíamos Nixon direto. Mas como ignorar um disco repleto de belas canções como este?
Melhor ainda quando, no happy hour, abríamos nossas cervas e ficávamos por ali admirando as meninas que passavam pela calçada.
Nixon é um disco pouco comentado. O falsete de Wagner é marcante e o instrumental de um lirismo raro na história.
The book i haven’t read composta em parceria com o mestre Curtis Mayfield, é uma das minhas favoritas. The old gold shoe, faixa que abre Nixon, entrega, de cara, o que você vai ouvir nos próximos instantes.

Tarcísio Buenas.
(Texto escrito pro On The Rocks, meu antigo blog, em 2010).